Para fazer frente ao protecionismo comercial das grandes plataformas de mapeamento e favorecer um registro mais inclusivo, foi criado o projeto aberto e colaborativo de geolocalização OpenStreetMap (OSM). Lançado em 2004 pelo britânico Steve Coast, a iniciativa tem sido chamada de Wikipédia dos Mapas, pois seus dados são registrados de forma colaborativa por qualquer pessoa que queira participar.

Como alternativa aos grandes provedores de telecomunicação, que estão mais interessados no retorno financeiro rápido, têm crescido por todo o mundo as iniciativas dentro do conceito de redes livres. As vantagens são muitas: administradas com autonomia pelos próprios usuários, elas escapam dos mecanismos de monitoramento presentes nos provedores privados, além de garantir direito à comunicação, a liberdade de expressão e o acesso à cultura e ao conhecimento. 

O Banco de Tempo não é uma ideia nova, mas ganhou força com as redes de comunicação. Ainda no século XIX, um dos pioneiros em pensar uma experiência em que as pessoas trocassem horas de trabalho foi o anarquista norte-americano Josiah Warren, com a sua Cincinnati Time Store. Na loja, que funcionou de 1827 a 1830, era possível efetuar trocas através de notas baseadas em horas de trabalho. A iniciativa está baseada no conceito de moeda social que por sua vez faz parte da chamada economia solidária. Uma moeda social é um tipo de moeda paralela administrada por seus próprios usuários em um regime de confiança mútua. Pode ser vista como uma prática de reinvenção da economia na medida em que estabelece um sistema de trocas para além das relações de mercado do sistema capitalista.

Uber e Airbnb são grandes exemplos de como os valores da colaboração e do compartilhamento estão aos poucos prevalecendo na economia, certo? Não, errado, muito pelo contrário. As duas empresas representam na verdade a grande habilidade que o capitalismo tem de se reinventar e de conseguir incorporar a “simbologia” de algo novo e disruptivo para manter as coisas exatamente como são. Ou ainda piorá-las.

A Benfeitoria é uma plataforma de crowdfunding com um diferencial muito importante: não cobra comissão como as demais. A proposta é mesmo incentivar projetos de impacto cultural, social, econômico e ambiental. 

Tags: